Um blog para Cartagena

A minha viagem para Cartagena – Colômbia começou em agosto deste ano quando uma amiga sugeriu passarmos meu aniversário de 40 anos lá. Topei e, logo em seguida, mais duas se animaram e na véspera outra grande amiga integrou-se ao grupo.

Criamos um grupo no whatsapp para planejarmos tudo: hospedagem, transporte, passeios, e orçamentos. Neste momento começamos o exercício do ser flexível para conciliar. Viajar em grupo é isso, diferentes objetivos e expectativas sendo equilibrados para se manter a harmonia do grupo.

Obs: para viajar em grupo tem que ter sempre muita paciência, bom senso, educação e respeito. Pode rolar a maior afinidade, mas pessoas tem humores e personalidades diferentes.

Pra mim essa experiência de grupo foi sensacional. Eu confesso que essa prática – viajar em grupo já havia abandonado fazia um bom tempo. Tive uma péssima experiência faz uns 4 anos que me custou o fim de uma amizade de 15 anos…..

Mas coloquei meu medo de lado e apostei na chance de estar ao lado de amigas comemorando um momento bastante especial: meus 40anos !!! Coloquei em prática a famosa cumplicidade feminina: sonhar juntas cada momento.

No início da viagem descobrimos juntas que a nossa cia aérea estava em greve e com isso os voos estavam atrasando. Não seria isso que ia atrapalhar, mulheres juntas vale mais do que qualquer terapia, levamos praticamente um dia inteiro fazendo Rio de Janeiro, Bogotá e Cartagena. ou seja, um dia inteiro para rir, falar bobagens, dividir alegrias e a ansiedade de chegar no destino final.

maria-v-henao-portada

Maria Victoria Henao, esposa de Pablo Escobar

Finalmente chegamos a Cartagena das Índias faltando alguns minutos para meus tão esperados 40 anos. Lugar quente, mas estava bem longe de ser o inferno do Rio de Janeiro durante o verão. Do check in no hotel fomos direto para um bar brindar a tudo, por que estávamos exaustas. Mais uma descoberta – não se pode sair do estabelecimento com bebidas alcoólicas mesmo consumindo em copos de plástico, garrafas long neck ou latinhas. Se a polícia te pegar, bye bye ….

Ficamos em um dos bairros mais populares – Getsemaní. Cheio de hosteis, pubs, uma gracinha de lugar e fica muito pertinho da famosa Cidade Amuralhada. Bairro boêmio, vi prostituição, venda de drogas, mas no geral um lugar amigável.

Como não havíamos fechado absolutamente nada de passeio para as encantadoras praias, no dia seguinte, fomos para a famosa Cidade Amuralhada. Da nossa pousada até a muralha já dava para perceber que a cidade fica fervilhando de pessoas indo para o trabalho, o trânsito é intenso e os colombianos ADORAM uma buzina.

Encantadora, colorida, tínhamos informações sobre vários pontos interessantes, mas não sabíamos o principal: seriamos abordadas por uma multidão de AMBULANTES. Chega ser engraçado….depois vira meme. Eles são educados, isso é um ponto importante, em qualquer lugar que você chegue será recebido com um “ bom dia, boa tarde ou boa noite.”

E não adianta, é muito comum eles tratarem pessoas desconhecidas com “ mi amor, mi vida e corazon .” No começo dava vontade de soltar um “vem cá, eu te conheço?”. Mas é uma questão cultural mesmo. Sem estresse.

Todo mundo já deve ter ouvido que Cartagena é o Caribe colombiano. Não é beeeeeeem assim. Ir em busca do azul caribenho pode ser decepcionante. A grande vedete é o bairro Bocagrande, onde fica a parte moderna da cidade e a praia de areia escura, lembra muito Santos. E como tem pelicano boiando na beirinha. Deus me livre !!! Não me aventurei ….

Não deixe isso te desanimar. Vá com a mente aberta pra viver a cidade e também para conhecer as praias de Cartagena. Só saiba aceitá-las da forma como elas são!

Fomos as famosas Islas del Rosario, del Encantado e a Playa Blanca de Baru. Somente na última Playa Blanca que encontramos o mar com a tonalidade azul e areia branquinha. No geral, em todos os passeios temos poucas opções de alimentação ( embora garantam que o almoço será ótimo), os ambulantes são constantes. Na Playa Blanca então, as barracas são improvisadas, é decepcionante.

É muito difícil ver colombianos usando roupa de banho para entrar no mar. Encontramos até um casal bem curioso: ele de camisa polo e ela de sutiã entrando no mar e ambos de short e tênis. Não há nenhum problema em usar biquini, só não parece ser um costume local.

Pausa sobre o local. A regra do grupo era, cada um pode e DEVE fazer o que estava com vontade. Então, mesmo que sugerido alguns lugares no roteiro, nem todos os lugares foram unânimes. Mas como a regra foi acertada logo no início, não havia motivos para desavenças.

Mas acho importante haver essa liberdade e dito isso, Café Del Mar grupo separado, mas consegui ver o pôr do sol, brindando e o local é uma gracinha. Só abre as 17h, chegamos cedo e garantimos uma vista privilegiada.

Na Night, estamos acostumados a ter festa até depois da meia noite. Em Cartagena, a noite tem hora para acabar: 00h sexta e sábado e dias de semana 23h. Sempre com muita música e a grande maioria das pessoas sentada conversando.

Cartagena tem um clima animado, homens e mulheres com roupas coloridas. Nos deparamos com costumes bem peculiares: dois ou três restaurantes não deram faca alegando que não havia no estabelecimento e notamos dois funcionários da nossa pousada almoçando/jantando com as mão ( com luvas). Em todos os passeios as opções são pescado ou frango acompanhado com salada, arroz de coco e patacones. Infelizmente, todos os almoços nos passeios são estilo refeitório, todo mundo lado a lado.

Optamos por um restaurante muito bem recomendado nos blogs – La Vitrola. Nossa ! um fiasco. Estragaram o meu ceviche de camarão colocando molho barbecue. Mas são os costumes….Bebidas alcoólicas no geral não são caras, mas é difícil encontrar cerveja gelada. Minha opção foi Gim Tônica com bastante gelo. Indico um bar chamado DEMENTE localizado no bairro Getsemaní.

No geral? Lugal bem preservado, com uma energia vibrante, museus, mirantes, bares, e restaurantes. E como em qualquer parte do mundo, quando se muda de pais nos deparamos com coisas que podem parecer diferentes.

Valeu mais uma vez pra mim, não sei pelo grupo, estar disposta a compartilhar a cultura local. Valeu pra mim a experiência de estar em grupo, dividir os momentos, ser flexível e compreensiva. Perrengues e situações inesperadas acontecem, o ideal é sair delas com bom humor. Dei muita risada, fofoquei, dancei, experimentei doces, salgados. Ganhei um presente lindo de uma amiga.

Peguei chuva e lá alaga tudo, tem que levar botinha ( risos). Acho que é isso, a parte bacana de viajar com amigas é a sensação de liberdade e a impressão de se colocar parênteses na rotina e tudo se torna engraçado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s